O Mundo
dos negócios

POR QUE OS PORTOS PRECISAM SEMPRE EXPANDIR?

Com a tendência mundial de navios cada vez maiores, custo do frete internacional tende a diminuir por causa da economia em escala

Por: Renan Medeiros

No dia 27 de maio deste ano, todos os olhares no Porto Itapoá se voltaram para o Hyundai Loyalty, o maior navio porta-contêiner a operar no Brasil, que atracara no porto catarinense. O “gigante” mede 340 metros de comprimento – o equivalente à linha lateral de três campos de futebol – e, por causa do tamanho, só pode operar nos portos que tenham infraestrutura suficiente para recebe-lo. Mas para quem lida com comércio internacional, qual a relevância na prática de ter um sistema portuário apto a receber essas embarcações gigantes? E por que os portos precisam estar sempre em expansão?

porto itapoá expansão navios hyundai loyalty brasil comércio exterior mercado internacional externo negócios business trading unq import export criciuma santa catarina comex blog

Comprimento do cais acostável determina quantos navios podem atracar simultaneamente.

A primeira e mais óbvia vantagem é o custo. Um navio com capacidade de transportar uma carga maior ganha em eficiência. No caso de embarcações maiores que o Loyalty, o benefício é válido para rotas que não necessitem passar pelo Canal do Panamá, já que as dimensões do navio não lhe permitem entrar nas eclusas e cruzar o país da América Central (o Loyalty, por exemplo, consegue utilizar o Canal do Panamá desde que entrou em operação o terceiro dique, em 2015, com maior capacidade).

Para os portos, a dimensão mais relevante é a profundidade das águas no acesso ao cais, que determina qual o calado máximo das embarcações que podem atracar (calado é a distância entre a linha da água e o ponto mais baixo do navio). Embora seja um fator natural, a profundidade pode ser ampliada por meio de dragagens.

Geração de riquezas

“Em relação aos canais de acesso, por exemplo, um centímetro a mais de calado nos navios significa carregar oito contêineres, ou 100 toneladas a mais. Se cada contêiner gera cerca de US$ 3 mil em riquezas, na sua operação, estamos falando de US$ 24 mil por centímetro submerso. Transformando isso em um metro de profundidade, estamos falando de US$ 2,4 milhões por navio”, calcula o diretor operacional do Porto Itapoá, Sergni Junior.

É por isso que a tendência mundial é que os navios sejam cada vez maiores, o que exige dos portos investimentos constantes em ampliação. “O investimento na infraestrutura do país é imprescindível para o crescimento da economia. Um dos entraves, além das rodovias e ferrovias para escoar as cargas que chegam aos portos, é a manutenção da profundidade dos canais de acesso”, explica Sergni. Além da profundidade, outro fator que confere eficiência à logística é o comprimento do cais acostável. Ele determina a quantidade e o tamanho dos navios que podem estar atracados simultaneamente num Terminal.

Acompanhando a tendência de navios cada vez maiores na navegação mundial, o projeto de expansão do Porto Itapoá já está em andamento, a primeira fase contempla mais 170 metros de píer e 100 mil metros quadrados de pátio, com previsão de término em 2018. Até o final da segunda fase, prevista para finalizar em 2021, o Terminal terá capacidade para movimentar 2 milhões de TEUs por ano e o cais passará de 630 metros de comprimento para 1.210 metros.

O autor

omundodosnegocios

omundodosnegocios

Faça um comentário!

  1. *