O Mundo
dos negócios

ACOMODAÇÃO CORRETA DOS PRODUTOS PARA TRANSPORTE INTERNACIONAL

Distribuição do peso de acordo com a legislação brasileira é fator primordial para importador e transportadora

Por: Mayara Cardoso

Após a escolha do melhor fornecedor, as negociações de preço, os cálculos de câmbio, a emissão dos documentos necessários e tudo mais que envolve o processo de importação, chega a hora de receber a encomenda no Brasil. É o momento de a transportadora rodoviária entrar em ação. Neste estágio, mais uma vez, todos os envolvidos no processo precisam estar sincronizados para que tudo aconteça da forma correta e no horário ideal. Além da logística e da pontualidade alinhadas, o peso do material recebido está entre os itens cruciais para que o trabalho seja finalizado com sucesso.

transporte rodoviário acomodação de carga importação comércio exterior comex blog negócios internacionais mercado externo marcelo raupp renato barata gomes unq trading criciuma santa catarina

Acomodação correta evita multas.

Você pode se perguntar: “Mas o próprio contêiner não é escolhido na origem para acomodar a mercadoria da melhor forma?”. A resposta é sim. Porém, quando se trata de importação para o Brasil há mais detalhes a serem preparados. Continue lendo

O que é GRI?

G-R-I (General Rate Increase, em português, Aumento Geral de Tarifa): como o próprio nome diz, é um aumento geral de tarifa (ajuste) aplicado sobre o valor do frete internacional pelas companhias de navegação/armadores para determinadas rotas.

Um GRI é o valor médio pelo qual as companhias de transporte aumentam suas tarifas aplicadas às taxas base. Pode aumentar consideravelmente os custos do embarque, especialmente se estiver programando embarcar grandes volumes carga. Isso costuma ocorrer com maior frequência durante o peak season/alta temporada. Continue lendo

VALORIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NAS RELAÇÕES COMERCIAIS INTERNACIONAIS

A propriedade intelectual (PI) assume cada vez mais um importante papel nas sociedades contemporâneas, cujo desenvolvimento está associado ao progresso tecnológico e à capacidade criadora e empreendedora dos indivíduos e das empresas. No mundo globalizado, alguns fatores podem ser destacados para valorizar a PI: a) visibilidade política – o qual está associado não apenas ao seu valor intrínseco dos ativos que devem ser protegidos por este instituto jurídico; b) o valor e a importância dos bens imateriais (bens intangíveis) são superiores nos dias atuais aos bens materiais e imóveis que constituía o principal componente do patrimônio das pessoas físicas e jurídicas.

Hoje os ativos imateriais das grandes corporações valem muito mais que o conjunto dos ativos materiais, p.e. o valor da marca Apple, desde 2012 – marca mais valiosa do mundo foi avaliada em 2016 em US$ 178,1 bilhões; a segunda colocada é a Google, avaliada em US$ 133 bilhões. A Coca-Cola perdeu colocações nos últimos anos. Continue lendo

A NÃO INCIDÊNCIA DE TRIBUTOS NA EXPORTAÇÃO

A formação de preços para a venda internacional deve atentar aos benefícios oferecidos

Por: Mayara Cardoso

A alta carga tributária no Brasil é sem dúvida o principal desafio dos empresários. Afinal, o país tem uma das maiores tributações do mundo com o menor retorno em serviços públicos. Entre as dezenas de impostos cobrados em negociações dentro do país, para as exportações,

exportação tributos brasil export blog comex import negócios internacionais comércio exterior mercado externo como exportar marcelo raupp renato barata gomes unq trading criciuma sc

Tributos da exportação.

no entanto, a maioria deles não é incidente, o que torna a venda para o exterior um possível caminho de maior competitividade e resultados para o negócio como um todo.

De acordo com o contador Jean Netto, dependendo do regime contábil, da classificação fiscal e do estado de origem, a redução pode chegar a 40% do valor negociado internamente. “A venda de produtos para fora do país, em geral, não gera a cobrança de PIS, COFINS, IPI e ICMS. Ou seja, todos esses tributos são isentos na negociação de um produto entre a empresa brasileira e uma com sede em outro país”, explica Netto. Continue lendo